Relembre a história de mulheres brasileiras que são símbolos na luta pela igualdade

O Dia da Mulher, comemorado no dia 8 de março, é celebrado pelos quatro cantos do mundo. Essa data faz referência a uma série de fatos que homenageiam as lutas e reinvindicações femininas. Foi no dia 8 de março de 1857 que trabalhadores, homens e mulheres, de uma indústria têxtil de Nova Iorque, nos EUA, fizerem greve por melhores condições de trabalho e igualdades de direitos trabalhistas para as mulheres.

Anos depois, no dia 8 de março de 1908, trabalhadoras do comércio nova-iorquino de agulhas fizeram uma manifestação para lembrar o movimento de 1857 e exigir o voto feminino e fim do trabalho infantil. Apesar dos movimentos em prol de melhorias para as mulheres terem ocorrido em grande maioria na Europa, muitas mulheres brasileiras tornaram-se um ícones na luta pela igualdade das mulheres. Relembre algumas delas:

Anita GaribaldiAnita_Garibaldi_-_SompoSeguros.jpg
Nascida em Santa Catarina em 1821, Anita Garibaldi ficou conhecida como a “Heroína dos Dois Mundos”, depois te der participado de diversas batalhas tanto no Brasil, quanto na Itália onde lutou ao lado de seu marido Giuseppe Garibaldi, na batalha de Roma.
Sua fabulosa história de resistência e bravura, fez com que recebesse diversas homenagens. No Brasil, foi homenageada em Santa Catarina com o nome de dois municípios: Anita Garibaldi e Anitápolis. Em Salvador, seu nome foi dado a uma importante avenida da cidade. Já na Itália, na colina de Gianicolo, em Roma, foi erguido um monumento equestre, onde está enterrado seu corpo.

 

 

 

 

Zilda Arns Sompo Seguros.jpgZilda Arns
A também catarinense Zilda Arns dedicou sua vida a cuidar da saúde das crianças. Em 1983, fundou a Pastoral da Criança, para ajudar famílias carentes a evitar a mortalidade infantil, por meio da disseminação do soro caseiro. Ao longo dos 25 anos que comandou a Pastoral, Zilda conseguiu atingir 72% do território nacional, além de 20 países da América Latina, África e Ásia.
Seu trabalho fundamental na redução da mortalidade infantil lhe rendeu a indicação ao Prêmio Nobel da Paz, em 2006, quatro anos antes de falecer.

 

 

 

 

 

Chiquinha Gonzaga Sompo Seguros.jpgChiquinha Gonzaga
Nascida no Rio de Janeiro, desde muito criança, Chiquinha Gonzaga já se interessava pela música. Autora de “Ó abre alas”, nossa primeira - e mais conhecida - marchinha de carnaval ela se tornou um ícone da música brasileira.
Foi compositora, pianista e a primeira mulher brasileira a reger uma orquestra no País. Sua carreira também foi marcada pela luta pelos direitos autorais e fundou a SBAT - Sociedade Brasileira de Autores Teatrais, onde ocupou por muito tempo a cadeira nº 1.

 

 

 

 

 

Maria da Penha Ajuste Sompo Seguros.jpgMaria da Penha
Figura mais recente da história da luta das mulheres pela igualdade. Sua trajetória começa em 1983, quando recebeu um tiro de seu então marido enquanto dormia, deixando-a paraplégica. Depois de se recuperar, Maria da Penha ainda foi mantida em cárcere privado, vitima de várias agressões e até mesmo uma nova tentativa de assassinato.
Depois de um longo processo na justiça, em 2006 foi sancionada a lei nº 11.340, que ficou conhecida como Lei Maria da Penha, que protege as mulheres contra agressões domésticas. Esse ano, Maria da Penha concorre ao Prêmio Nobel da Paz.

 

 

 

 

Tarsila do AmaralTarsila_do_Amaral Sompo Seguros.jpg
A famosa pintora e desenhista brasileira, Tarsila do Amaral foi uma das precursoras da Arte Moderna no Brasil. Por seu incrível trabalho com as artes, Tarsila foi uma das integrantes do "Grupo dos Cinco" – responsável pelo referencial ideológico da Semana de 22 – junto de Anita Malfatti, Oswald de Andrade, Mário de Andrade e Menotti del Picchia. Apesar disso, Tarsila do Amaral não integrou a famosa Semana da Arte Moderna.
Em 1970, a própria artista organizou uma exposição em sua homenagem, intitulada de "Tarsila: 50 anos de Pintura". No ano seguinte, em 1971, mais um prêmio foi para sua conta: o Golfinho de Ouro, principal premiação do Festival Internacional de Cinema de Tróia.

 

 

 

 

Essas grandes mulheres são apenas alguns exemplos de luta, quebra de barreiras e resistência feminina no Brasil. Por isso, gostaríamos de parabenizar e agradecer a todas vocês, mulheres, que continuam vencendo barreiras todos os dias. Feliz Dia da Mulher!

Compartilhe:

Para mais informações, navegue pelas editorias ao lado.