Farol de Milha e Neblina: Saiba Como Utilizar os Faróis para a sua Segurança

Um dos fatores essenciais para a sua segurança enquanto estiver dirigindo é garantir a boa visibilidade. Em manhãs nubladas, por exemplo, as chances de colisões traseiras aumentam em 20% por causa da ausência ou utilização errônea dos faróis.

Por isso, os faróis dos carros são elementos de extrema importância. Mas será que você está utilizando os faróis corretamente? Confira a diferença entre os faróis e quando utilizá-los!

 

Farol de milha (farol auxiliar)

O farol de milha também conhecido como farol de longo alcance, A sua função é aumentar a visibilidade do motorista para longas distâncias, sendo utilizado principalmente em estradas no período noturno. Mas cuidado: o farol de milhas não pode ser utilizado quando há fluxo de automóveis no sentido contrário, pois a forte iluminação pode incomodar demais motoristas. A utilização do farol de milha desnecessariamente (e sem a utilização do farol principal) pode render multa e pontos na carteira de habilitação.

 

Farol de neblina (farol auxiliar)

Não é apenas para dias com muita neblina: esse tipo de farol é utilizado em caso de nuvens mais densas, tempestades e nevascas. O farol de neblina está localizado abaixo dos faróis principais, bem na parte inferior do veículo, justamente para facilitar a visibilidade por baixo da neblina. Por ser de curta extensão de luz, o farol de neblina não pode ser utilizado como substituto ao farol baixo.

 

 

Quando utilizar os faróis alto e baixo (faróis principais)?

Geralmente utilizamos o farol alto em diversas ocasiões de baixa visibilidade. Porém, em casos como manhãs com neblinas, o correto é utilizar o farol baixo. Selecionamos os principais apontamentos do artigo 40 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB):  

 

  • O condutor manterá acesos os faróis do veículo, utilizando luz baixa, durante a noite e durante o dia nos túneis providos de iluminação pública e nas rodovias;

 

  • Nas vias não iluminadas o condutor deve usar luz alta, exceto ao cruzar com outro veículo ou ao segui-lo;

 

  • A troca de luz baixa e alta, de forma intermitente e por curto período de tempo, com o objetivo de advertir outros motoristas, só poderá ser utilizada para indicar a intenção de ultrapassar o veículo que segue à frente ou para indicar a existência de risco à segurança para os veículos que circulam no sentido contrário;

 

  • O condutor manterá acesas pelo menos as luzes de posição do veículo quando sob chuva forte, neblina ou cerração;
  • O condutor utilizará o pisca-alerta nas seguintes situações:
  • (a) imobilizações ou situações de emergência;
  • (b) quando a regulamentação da via assim o determinar;

 

  • Durante a noite, em circulação, o condutor manterá acesa a luz de placa;

 

  • O condutor manterá acesas, à noite, as luzes de posição quando o veículo estiver parado para fins de embarque ou desembarque de passageiros e carga ou descarga de mercadorias;

 

  • Os veículos de transporte coletivo regular de passageiros, quando circularem em faixas próprias a eles destinadas, e os ciclos motorizados deverão utilizar-se de farol de luz baixa durante o dia e a noite.

 

Para maiores informações, acesse o site da CTB Digital: http://www.ctbdigital.com.br/.

Compartilhe:

Para mais informações, navegue pelas editorias ao lado.